Como melhorar transporte publico no Akademgorodok

Dimitri Lebedev

Acá na zona alta de Akademgorodok (“cidade acadêmica”) existe um problema: o transporte público corre fora das partes onde tem mais pessoas. Olhem a esquema:

Essas trilhas para as paradas de ônibus são as mais amplas seja no verão seja no inverno, sobre neve. Com os nossos calcolos de pedestres estimamos que cada dia cerca 2 mil pessoas são forçadas a caminhar 500 metros e mais só de noite, e em todo o dia tem que ser 4 mil em cada direção.

É muito inconveniente se mover para os professores e estudantes da Universidade estatual de Novosibirsk. Precisa ou sair de ônibus no meio de Akadem e caminhar 1400 metros, ou viajar 7-10 minutos até a parada terminal e caminhar 600 metros. Assim mesmo se você tem que ir dos institutos até a oficina postal, precisa caminhar 1,5 km, ou pegar ônibus, viajar e depois caminhar 400-600 metros. Aqui estão alguns desses caminhos forçados:

_images/tn_pic-akadem4-routes_to_stops.jpg

Aquilo que viaja em carro e causa congestionamentos, chega pras portas de casa, logas, ou deixa o carro no gramado. Aquilo que não tem carro, está humilhado e punido: tem que caminhar pelo sujo e pelas poças, no frio invernal. Não se surpreende que chegamos 400 carros por 1000 moradores. Viver sem carro é difícil.

_images/tn_pic-akadem4-forced.jpg
_images/tn_pic-akadem4-P1010480.jpeg

Os carros dos estudantes no gramado.

_images/tn_pic-akadem4-P1070421.JPG

Pedestres têm que caminhar distancias muito grandes.

_images/tn_pic-akadem4-P1070497.jpeg

Depois do cálculo dos pedestres se ficou claro: precisa transporte público na rua Ilyicha (Ильича).

A solução

Tudo parece muito simples: os ônibus correm ao redor do centro, na periferia, sem fazer paradas. Têm que virar acá pro meio. As linhas que terminam acá em baixo continuaram terminar acá, as outras irão direitamente nas outras partes.

_images/tn_pic-akadem4-routes.jpg
_images/tn_pic-akadem4-P1010450.jpeg

O que fazer com estacionamento caotico?

_images/tn_pic-akadem4-P1040689.jpeg

Fazé-los estacionar direitamente. Na Itâlia estacionam sem ordem também, mas aprendiam pôr os carros direitamente.

Então, na verdade já existiam planos de mudar algumas linhas: linha 62 se moveria pro centro de Akadem para não se competir com a linha 7, a que duplica bastante:

_images/tn_pic-akadem4-krechet.jpg

Mas tive um problema com essas casas no angulo, no extremo de Akadem:

_images/tn_pic-akadem4-corner.jpg

Se todas as linhas mudariam para rua Ilyicha, deixariam esta parte sem serviço. Para os moradores a distancia cresceria de 300 até 500 metros, o que é já bem desagradável. Eles poderiam bombardear a administração com reclamos e fazê-la reverter a decisão.

A solução adaptada

Muitas linhas transitarias vão na parada rua Colorada e fazem uma volta. Por que? É que até muito tempo existia a linha 327 na próxima cidade de Berdsk, que terminava acá, na rua Colorada.

_images/tn_pic-akadem4-end.jpg

Todos os passageiros para Berdsk vão para essa parada para garantir-se entrar no ônibus. Eles têm que caminhar 10-15 minutos excessivos, os passageiros das linhas 72, 109 e 325 perdem 10 minutos fazendo esta volta.

_images/tn_pic-akadem4-berdsk.jpg

Mas agora o 327 não termina acá. As linhas da região, 211 e 560 terminam acá, mas podem se mudar. Então mudando todas estas linhas, 327, 211 e 560 para Ilyicha podemos conectar elas com as linhas internas e agora temos uma estrutura em que se pode passar uma linha por a ruta velha, a avenida do Mar (sobre na direita), ou por ruta nova pela avenida Koptiúg (sobre na esquerda) que tem casas grandes e sofre sem ônibus.

_images/tn_pic-akadem4-new-routes.jpg

Então podemos flexivelmente pôr bastante ônibus para cada lado.

Teremos que mudar e adicionar paradas. Na rua Ilyicha teremos que adicionar mais. Na Europa as paradas são cada 350 metros, e para a zona muito popular como esta rua 350 metros tão muito bem. Uma parada no cruzamento em esquerda, preto da universidade, uma mais cerca a entrada do supermercado, e uma cerca do centro cultural. Outras paradas se mudam um pouco. Em direita em baixo existe uma zona nova de cafeterias, e seria bom ajudá-la com transporte público também.

_images/tn_pic-akadem4-stops-now.jpg

Paradas e distancias agora.

_images/tn_pic-akadem4-stops-after.jpg

Paradas e distancias depois da reforma.

Cada morador obtem um serviço mesmo frequente e mais preto de casa, ou ao menos não perde nada.

Nas redes sociais esta discussão provocou uma ola de ravia e acusações de todos so pecados mortais. Segundo os oponentes, eu não moro nessa parte da cidade (na verdade moro detrais do centro comercial, na rua Colorada, ou “Tsvetnoy proyezd”, morava nas outras partes do Akadem mesmo antes), não conheço a especifica, etc. Me dizerem que a cidade acadêmica foi inventada assim, como um lugar para pedestres, e caminhar 700 metros não seja dificil. Isso prova que precisa discutir bem o problema e a necessidade antes de propor soluções. A maioria não nota o problema que existe.

Um argumento mais a favor de reformar as linhas chegou dum arquiteto. Eu lhe mostrei os meus dados do cálculo de pedestres.

_images/tn_pic-akadem4-graph-ilyicha-pt.jpg

Rua Ilyicha, Akadem. Dia util é nero, sábado e vermelho. È utilizada maiormente da tarde, depois de 19 as pessoas se desaparecem.

_images/tn_pic-akadem4-graph-lenina-pt.jpg

Rua Lenin, centro de Novosibirsk (cidade de tamanho de Curitiba). Dia útil em nero, sábado em vermelho. A rua continua ser muito populada as 21.

Um arquiteto muito respeitoso, que trabalha com planos urbanos, vendo estos dados, escreveu:

Isso significa que Ilyicha não é o centro de Akademgorodok, ainda se pretende ser um. ...Para desenvolver a zona, precisa ajudar para as funções do centro, também fazer-lo mais accessível, sobretudo em transporte público. E não vale dizer “para um akademiano 700 metros são normal.”